E temos mais um 8 de março, Dia Internacional da Mulher. Tendo em vista o que acompanhei nos últimos anos (e dias), estou preparada para mais um show de horrores, machismo e desconhecimento histórico.

Este é um blog antigo, com posts que remontam a 2004. Como tenho tido pouca paciência para repetir, de variadas formas, o que já disse antes, vou deixar uma lista com meus posts favoritos e que podem ser uma leitura bem-vinda nesse caos que está se tornando 2019.

Começo indicando o clássico: “Teste: você é feminista?” Leiam com amor, pois é um registro de tudo o que já foi interditado para mulheres, e existe um risco de que haja nova restrição de direitos. Vale ler também a análise que fiz oito anos depois, em 2016, quando a Regina Casé mencionou o teste em seu programa de televisão.

Pra quem achou o máximo o filme “Sufragistas” e quer fazer feminismo ao estilo suffragette, recomendo o post sobre o filme “Sufragistas” e o resumo da minha tese pra perceber que há histórias mal contadas e estilos bem mais eficazes de militância.

Ainda sobre estilos de militância, tem o meu artigo mais polêmico: “Movimento feminista: luta por direitos ou terapia?“. Reli recentemente e ele continua atual. INFELIZMENTE.

Outra polêmica são as críticas ao livro da Sheryl Sandberg “Faça Acontecer“. As críticas são injustas: o livro levanta pontos muito importantes e atuais que não estão sendo contemplados pela militância feminista de esquerda (venho trabalhando nessas questões, mas ainda não estão no ponto para vir a público). E, como eu já disse antes, a luta por direitos das mulheres transcende a questão de esquerda x direita.

Pra quem não conhece meu lado mais debochado, leia “Os machistas no Dia Internacional da Mulher

E em épocas tão pessimistas é sempre bom lembrar: oito de março é dia também de CELEBRAR CONQUISTAS! O cotidiano é árduo, mas sem celebração e recordar o quanto já melhoramos não existe ânimo para manter, muito menos pra ampliar os direitos conquistados.